Livro nº 139: O livreiro de Cabul, de Asne Seierstad

 

Nova York, 11 de setembro de 2001. Quando Osama bin Laden comandou o ataque às torres gêmeas do World Trade Center, o mundo abriu os olhos para a atuação de uma das organizações terroristas mais perigosas dos últimos tempos: a Al Qaeda. O grupo, descobriu-se depois, era apoiado pelo governo do Afeganistão, na época comandado por uma facção político-religiosa chamada Talibã.

Cabul, novembro de 2001. A reação aos ataques nos Estados Unidos foi imediata. Em poucas semanas, o exército americano colocou fim à ditadura militar e religiosa do Talibã, que havia cinco anos violava os direitos mais básicos de homens e mulheres afegãs sem que quase ninguém no Ocidente soubesse ou se importasse.

Com o exército, vieram também os jornalistas de guerra de todas as partes do mundo. Entre eles, uma norueguesa chamada Asne Seierstad.

Por algumas semanas, Asne acompanhou a movimentação de soldados americanos pelos campos minados do interior do Afeganistão. Mas, depois que o Regime Talibã finalmente caiu, ela se mudou para a Cabul e fez amizade com um tipo muito incomum de comerciante num país onde três quartos da população não sabe ler: um livreiro.

 

 


– Conheça o Clube Ipê Amarelo!
Acesse e vire sócio: www.clubeipeamarelo.com.br
– Quer ajudar a financiar o projeto Ler Antes de Morrer?
Torne-se padrinho ou madrinha: www.padrim.com.br/lerantesdemorrer


 

Foram meses de convivência, tanto com o livreiro quanto com sua família – as duas esposas, os filhos, sobrinhos e primos. Por ser mulher, Asne teve acesso à intimidade da ala feminina de uma família afegã, um privilégio reservado a muito poucos.

Uma típica mulher afegã, nos dias atuais, não tem segurança para sair à rua sozinha, deve esconder-se sob burcas quentes e apertadas toda vez que sai de casa, e só tem permissão para conversar em particular com homens de sua própria família. As infratoras correm o risco de sofrer abuso sexual, espancamentos e mutilações. Ou, simplesmente, de serem assassinadas.

O resultado da viagem de Asne Seierstad na capital do Afeganistão é um livro-reportagem desconcertante. Leitores de todo o planeta, que fizeram de O Livreiro de Cabul o maior best-seller de não ficção da literatura norueguesa, se perguntaram: como é possível que o mundo ainda submeta mulheres a tanto perigo, humilhação e dependência?

Uma leitura que lançou luz sobre uma cultura milenar e castigada por guerras que já duram décadas. Dezesseis anos depois, O livreiro de Cabul continua sendo uma obra atual e necessária.